Feeds:
Artigos
Comentários

Dou por encerrado este blogue, bem como o caminho trilhado pelo vínculo curricular com o jornal Público.

Passados três meses após a conclusão do estágio, defendi o relatório final. Foi uma defesa emotiva, característica atribuída à minha pessoa bem como a este relatório que aqui deixo.

É um relato cheio de emoções, que foge a muito preceito académico. Pequei nesse aspecto, de ser literária em vez de objectiva. Contraditório até na prática como jornalista. Mas quem me conhece sabe, que no fundo no fundo, sou uma eterna apaixonada pela área. Não concebo prática sem teoria e vice-versa. Este estágio foi uma oportunidade. Boa, mas que fica por aqui. Vale por si só, no seu tempo. Ponto final.

Aviso desde já que é uma leitura diferente do habitual. Muitos certamente acharão estranho a minha maneira de análise ao estágio. Decidi ser ousada, pegar nos post’s deste blogue e articular com a fundamentação teórica e outras análises posteriores.

Fica depois a avaliação feita ao critério pessoal de cada um. Boas leituras!

Seguem também em anexo os artigos elaborados durante o estágio.

Está marcada para esta Sexta-feira, pelas 14h, na Escola Superior de Educação de Coimbra, a defesa do meu relatório de estágio no jornal Público.

Foram três meses intensivos, de aprendizagens constantes e de ganhos muito superiores ao simples estágio curricular. Ficaram contactos, amizades e a certeza de querer continuar o sonho de seguir e estudar jornalismo.

Posteriormente colocarei o relatório à disposição.

Um abraço

Numa conversa via twitter neste preciso momento, algo importante me foi lembrado.

Tudo começou pela conversa sobre o “i”, nova publicação a sair amanhã e que vai trazer alguns novos projectos informativos. A nova aposta, o “iRepórter”, suscitou-me curiosidade e deixou um bocadinho do pano levantado, no que poderia ser uma perspectiva de colaboração. Pensei um pouco precipitada. No twitter, as conversas são virais e o que foi um simples tweet passou a discussão. Ainda bem que assim foi, já que fui esclarecida por quem de direito, o experiente jornalista Paulo Querido.

Sei que muitos estudantes de comunicação e jornalismo lêem este blogue. Deixo aqui uns conselhos preciosos, que poderão ajudar daqui a uns tempos, e que me foram ditos para ver se “abro os olhos” para este mundo “não tão fácil” que pode ser o jornalismo.

Clicar na imagem ver melhor. A ler, de baixo para cima.

sem-titulo2

Depois surgiram mais outros conselhos e opiniões, a continuar do Paulo Querido e depois do Pedro Jerónimo.

@vanessaquiterio jogarem o jogo das empresas de média é derrota assegurada. Façam o vosso jogo. Se um jornal vos quer, que vos pague.

@vanessaquiterio não sintas isso. Não é objectivo. Os jovens devem VIRAR-SE. Procurem novos formatos. Novas retribuições.

RT @PauloQuerido @vanessaquiterio jogarem o jogo das empresas de média é derrota assegurada. Façam o vosso jogo. Se 1 jornal vos quer q pague

@PauloQuerido @vanessaquiterio Se os jovens jornalistas continuarem a aceitar o custo 0, as empresas convencem-se q + estarão dispostos

@PauloQuerido @vanessaquiterio …e assim a realidade precária continuará. Ambos (empresas e jovens) têm necessidades. Procure-se equilíbrio

E terminou. Oficialmente já não tenho nenhum artigo pendente no PÚBLICO. Saiu ontem o último registo em meu nome e fruto do trabalho desenvolvido nos três meses de estágio.

Agora tenho um mês para redigir o relatório final. Agrupar as conclusões deste estágio curricular e apresentar na defesa desse relatório o progresso feito ao longo da formação académica em Comunicação Social. Por isso peço a quem acompanhou e acompanha este blogue, que me envie opiniões, sugestões, diga de sua justiça e faça uma apreciação daquilo que foi lendo. O que acharam mal, o que podia ter sido melhorado… tudo.

É importante para mim receber feedback de quem viveu, do lado de fora, estes três meses de experiência na área.
Por isso apelo ao vosso bom senso e opinião. Obrigada.

Na edição de hoje, segunda-feira, 4 de Maio, saiu finalmente o artigo sobre os registos do espólio do ensaísta Eduardo Prado Coelho, ex-cronista do PÚBLICO até morrer, há quase dois anos.

Este artigo não se perdeu no tempo, fi-lo no início do meu estágio. Os registos vão estar acessíveis praticamente daqui a dois meses, em Julho. Todo este trabalho está ser processado pela Biblioteca do Município de Vila Nova de Famalicão. O escritor doou todo o seu espólio e, a partir de Julho, todos os registos poderão ser consultados via Internet.

pradocoelho-espolio

No passado sábado, na revista Fugas, “O carro de” foi também da minha autoria.
Desta vez tive o prazer de entrevistar a actriz e modelo Andreia Dinis. Aqui fica o texto:

carro-de-andreia-dinis

No online

Música

Sétima edição do festival internacional de música progressiva agita Gouveia até domingo

01.05.2009 – 09h26 :, Vanessa Quitério

Três dias, doze concertos e uma sétima edição alargada. São estes os números fortes do Gouveia Art Rock, festival internacional de música progressiva, que tem lugar a partir de hoje no Teatro-Cine de Gouveia.

Pela primeira vez a organização do Gouveia Art Rock (GAR) vai aproveitar o feriado de 1º Maio e dedicar três dias às abordagens variadas deste estilo musical que tem ganho centenas de novos entusiastas a cada nova edição. Na opinião de Eduardo Mota, membro da organização do festival, existem duas razões principais para as mudanças deste ano: “Já era nossa ideia estender o festival por mais dias. É uma experiência, por isso vamos ver como funciona. Da mesma maneira queremos testar a participação do público, que vem de diversos pontos do globo. Cinquenta por cento dos visitantes são estrangeiros e os restantes são entusiastas nacionais”, esclarece.

O evento, que decorre até domingo, apresenta no cartaz deste ano a estreia de duas bandas japonesas do estilo ‘progressivo de vanguarda’ e a estreia nacional dos italianos PFM- premiata forneria marconi.

“O Gouveia Art Rock apresenta-se desde 2002 como um festival importante no panorama do progressivo em Portugal e no mundo” refere Eduardo Mota, assinalando as inúmeras vantagens da realização do evento na cidade de Gouveia: “O principal hotel da cidade já está esgotado e outros serviços de hotelaria receberam já inúmeros pedidos, havendo um impacto significativo na economia local”.

Nesta sétima edição marcam hoje presença os October Equus (Espanha), Gatto Marte (Itália) e os lendários Focus (Holanda). Amanhã actuam os KBB, formação japonesa do progressivo emergente dos anos 90, Gordon Giltrao (Inglaterra), Volapük (França) os Califórnia Guitar Trio, presentes na edição de 2005 do GAR e Tony Levin, músico e compositor que faz parte dos King Crimson e da banda de Peter Gabriel. No domingo sobem ao palco do Teatro-Cine os Koenji Hyakkei (Japão), o australiano Daevid Allen (antigo membro dos Soft Machine e dos Gong) com seu projecto de experimentalismo e ousadia Univerity of Errors e os italianos PFM.

Paralelamente aos concertos realiza-se uma feira do disco, um “workshop” de guitarra com o britânico Gordon Giltrap no auditório da Biblioteca Vergílio Ferreira e o lançamento de um livro, seguido de debate, dedicado a Lars Hollmer, compositor sueco e marca incontornável do ‘progressivo mundial’. “Dedicamos a edição deste ano a Lars Hollmer porque ele era um homem de causas e músico carismático do progressivo”, afirma o organizador do evento. O mesmo adianta que no domingo também vai ser projectado um documentário sobre o último concerto do músico sueco em Gouveia, no ano de 2005.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.